Apresentação CnJ'14

O Jazz nas Caldas assume-se como um evento com data anual, apresentando um cartaz internacional e com um referencial jazzista propiciador de distinção e de atractividade singular, promotor e impulsionador de novas linguagens para novos públicos, numa geografia de referência de cultura urbana e de um potencial turístico impar.

O festival revela-se na convicção de que o seu programa propõe um nível de sonoridades que nos dão a conhecer músicos de excelência em dois módulos distintos, um com grupos internacionais, no palco do grande auditório do Centro Cultural e de Congressos e outro distribuído por espaços sociais e educativos na cidade de Caldas da Rainha. Este propósito visa não só a criação de novos públicos, mas também a promoção de uma dinâmica de oferta cultural e turística que, aliada aos quotidianos de uma cidade, pretende proporcionar a celebração e o convívio, numa tarefa de reafirmação como divulgador desta área musical, com instrumentistas que protagonizam a crescente referência dos novos valores do Jazz além fronteiras e em Portugal.

Para Caldas, a presença de músicos com estatuto mais que provado, como os que estarão em palco, dará impulso à descoberta das diversas sonoridades que o Jazz possui.

Apresentamos um programa em que se salienta a mestria transbordante do pianista Arménio Tigran Hamasyan, que regressa de novo a Portugal num trio, formação que foi pela primeira vez apresentada no último festival Musicas do Mundo em Sines. Já com 4 álbuns editados e concertos em todo o mundo, é um dos pianistas e compositores mais reconhecidos da sua geração.

Nasceu na Arménia, em 1987, mas vive em Los Angeles desde 2003. Começou a aprender piano aos três anos e aos 13 já tocava em festivais internacionais. Venceu vários prémios, entre os quais, em 2013, o da Fundação Vilcek, que homenageia os imigrantes com um contributo criativo para a sociedade norte-americana. Sente-se à vontade no jazz, de que retém sobretudo a componente de improvisação, na música clássica, no repertório popular arménio e no rock. Usa o piano, mas também a voz, a percussão e a eletrónica. Traz ao Caldas nice Jazz’14 o seu trio e o seu novo disco, “Shadow Theater”.

Também neste festival apresentamos uma das vozes mais melódicas do Jazz contemporâneo, Alexander Stewart, nascido em Manchester e referenciado como um dos maiores talentos da nova geração. Possui paixão por vozes com Billie Holiday e Tony Bennett mas, evitando actos de nostalgia, mostra a sua energia nos inteligentes re-arranjos de alguns dos mais conhecidos standards. Deixando marca em grandes canções, apresenta igualmente soberbos originais. Alexander esgotou espectáculos em salas referência, como Ronneie Scott’s, no Pizza Express Soho e em quase todas as salas de Jazz de Londres.

Neste concerto teremos a oportunidade de assistir uma primeira parte preenchida por uma das mais promissoras vozes de Jazz da actualidade em Portugal, Cláudia Franco que se apresenta em quarteto.

Contamos ainda com a presença da luso – australiana Melissa Oliveira, a viver actualmente na Holanda. Teve o privilégio de gravar o seu primeiro CD “In my garden” em Boston, com uma mão cheia de convidados especiais, entre os quais Greg Osby e Jason Palmer. Para o festival vai trazer uma formação que inclui a guitarra portuguesa, turntables e efeitos visuais, destacando-se a presença do grande mestre Jason Palmer. Trompetista, compositor, professor, ator, ele é indiscutivelmente um dos músicos mais requisitados da sua geração, tendo trabalhado com ícones da música como Roy Haynes, Herbie Hancock, Jimmy Smith (organista), Winton Marsalis e com a Lincoln Center Jazz Orchestra, Kurt Rosenwinkel, Ravi Coltrane, Geri Allen, Patrice Rushen, Clarence Penn, Jeff Ballard, Kenny Barron, Phil Woods (ícone do hip-hop), Roy Hargrove e Lewis Nash. O Conselho Cultural de Massachusetts selecionou Jason como Artist Fellow in Music Composicion 2012.

João Barradas & João Paulo Esteves da Silva Quarteto é o quarto agrupamento em palco no grande auditório do CCC. Esta formação lusa apresenta um dos jovens acordeonistas mais reconhecidos da Europa, que se desdobra entre o erudito e a música improvisada e que conta já com vários títulos de “Campeão do Mundo” e mais de trinta 1ºs prémios em competições nacionais e internacionais. Referenciado em 2013 por Coy Pesaturo, acordeonista incontornável do Jazz americano, como “o Jovem acordeonista a seguir nos próximos anos”, aqui ombreando com o pianista João Paulo Esteves da Silva, uma das figuras mais importantes do Jazz português, cuja influência é visível em gerações e gerações de músicos portugueses e europeus. Destacam-se particularmente as colaborações em discos e concertos com Ricardo Rocha, Carlos Bica, Cláudio Puntin, Jean-Luc Fillon, Peter Epstein, Ricardo Dias, Dennis Gonzalez no campo da música instrumental e também as parcerias com cantores e cantoras como Vitorino, Sérgio Godinho, Filipa Pais, Ana Brandão, Maria Ana Bobone, Cristina Branco, entre outros.

Este encontro vai ser moldado por música original de João Barradas e João Paulo Esteves da Silva, criada e rearranjada para esta formação.

Com estes dois músicos estará uma das secções rítmicas jovens mais requisitadas do momento: o agrupamento dos laureados do Prémio Jovens Músicos 2013, André Rosinha no contrabaixo e Marcelo Araújo na bateria. André Rosinha estudou no Conservatório Nacional, Hot Clube de Portugal e actualmente na Escola Superior de Música de Lisboa, tendo alcançado, por duas vezes, o Prémio de Melhor Grupo da Festa do Jazz do Teatro S. Luiz. Apresenta-se regularmente com Paula Oliveira, Júlio Resende, Bruno Pedroso, Lars Arens.

Marcelo Araújo é um baterista e compositor ecléctico que consegue absorver a música, transformá-la e partilhá-la com os outros, como se de uma conversa se tratasse. Em 2013 recebe o Prémio de Melhor Instrumentista e Melhor Grupo na Festa do Jazz do Teatro S.Luiz. É actualmente um dos mais requisitados jovens músicos do nosso país.

O festival conta também com a presença em palco dos austríacos “Donauwellenreiter”(Surfistas do Danubio), os músicos que integram esta surpreendente formação são: Thomas Castañeda – piano, Maria Craffonara - voz, violino, Lukas Lauermann – violoncelo e Jörg Mikula – bateria.

Os Donauwellenreiter formaram-se em 2010 e são convidados regulares em festivais internacionais como: Internationales Akkordeonfestival Wien (Alemanha), Internationales Jazzfestival Saalfelden (Alemanha) , Festival Outreach Schwaz (Alemanha), Festival Worldmusic Bolzano (Itália), Festival Wolrdmusic Hamilton (Canada).

Entre tantos outros concertos destaca-se o da inauguração do “Lange Nacht der Museen” na Praça de Potsdam, em Berlim (2011), bem como a estreia da peça encomendada “High Fidelity” no Landesmuseum Ferdinandeum em Innsbruck (2011).

O Caldas nice Jazz reafirma, nesta 2ª edição, a sua vocação de divulgador do jazz, da sua história e do seu presente, a partir de critérios artísticos. O festival procura projectar elementos de equilíbrio entre a matriz e a modernidade, entre os espaços formais e os socioeducativos, tendo por horizonte a livre fruição da música por parte do seu público.

De destacar ainda, em bónus especial, a apresentação pela cidade de mais 5 concertos (gratuitos) com músicos que confirmarão a excelência do actual panorama jazzista português, cinco jovens formações lideradas por João Dias Ferreira, João NevesVicente Valentim, Raquel Pimpão e o trompetista Luis Vicente.

Será oferecido neste festival, para quem comprar “livres trânsitos”, o CD do festival Caldas nice Jazz de 2013, que conta com temas originais gravados ao vivo no CCC de Maria Mendes, TGB, Melo Santos 4teto & John Ellis, Daniel Bernardes Trio, Joel Xavier e Hugo Danin.

Bem-vindos ao Caldas nice Jazz, tantas músicas por descobrir.

Diretor Festival
Carlos A. Ribeiro Mota